IMVC

Identifique-se


Obrigatórios


Obrigatórios


Obrigatórios

Programa de Desenvolvimento de Lideranças (PDL)

Bases Conceituais da Proposta do MVC

A literatura sobre liderança é das mais fartas. Seus diversos autores buscam encontrar o “meta-modelo” que explique todas as novas variáveis da vida empresarial e ensine o caminho para que gestores e empresas possam sobreviver e prosperar num ambiente novo, caracterizado justamente pela grande fluidez e transformação.

Cada um desses “gurus forma escolas, linhas e tendências, que influenciam fortemente o comportamento da liderança. O problema é que, ao abraçar uma dessas correntes, a empresa vive um breve ciclo otimista, que logo começa a arrefecer, gerando um refluxo de frustrações ainda mais intenso do que as que deram origem às mudanças.

A pergunta que cada vez mais se ouve é: existe mesmo um modelo de liderança que garantia de resultados face às mudanças que vivemos? A resposta, em nossa opinião, é que tal maravilha ainda não foi desenvolvida pelo homem.

Não se trata de desdenhar técnicas que, ao serem utilizadas por algumas empresas, apresentaram resultados positivos - embora, na maioria das vezes, transitórios.

Nossa avaliação é que o exercício da liderança no mundo contemporâneo se depara com mudanças de tal ordem que muitas vezes os executivos não são capazes de relacionar as múltiplas facetas que as determinam. Em parte, isto se deve ao fato de continuarmos tentando compreender estas modificações a partir de um paradigma superado. O modo cartesiano de pensar, que inspirou teorias e todos educacionais, tornou-se insuficiente para ajudar a dar conta do que es acontecendo no mundo. Hoje, segmentar o conhecimento prejudica a análise das redes de relações que se formam e se desfazem com enorme rapidez e que impactam o mundo dos negócios.

A complexidade da mudança exige um novo patamar de conhecimento para compreender e atuar na realidade. Exige perceber que o mundo sofisticou-se em suas expectativas, desejos e exigências, que se traduz em oportunidades e ameaças constantemente renovadas.

O que se pode concluir é que o conhecimento das partes não permite o conhecimento do todo. A formação dos gestores não tem acompanhado estas mudanças no mesmo ritmo. Este descompasso entre a cabeça cartesiana e o corpo que precisa mover-se em novos conjuntos de relações causa cegueira e desconforto por não produzir respostas adequadas aos novos requisitos da sociedade.

Tem, ainda, outra consequência: não leva em consideração que o indivíduo atuando nas organizações também mudou. Não se trata mais de lidar com uma massa disforme de pessoas cujas características são idênticas e indiferenciadas. Preocupações como qualidade de vida, compromisso com uma missão socialmente relevante, responsabilidade ecológica e realização pessoal na profissão estão hoje presentes nas escolhas que as pessoas fazem em relação às empresas onde trabalham.

Atualmente a capacidade de obter sucesso nos negócios precisa, mais do que nunca, considerar as múltiplas determinões sociais e individuais presentes nas organizações e fora delas.

Nossa Visão sobre a Competência Liderança

A equipe responsável pela concepção e elaboração do PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE LIDERANÇAS DE ALTA PERFORMANCE - CLIENTE é composta por profissionais de diferentes formações na área das Ciências Humanas. Esta combinação, como não poderia deixar de ser, acabou por integrar um raciocínio multifacetado e complementar.

Toda essa experiência acumulada acabou por resultar num diagnóstico das causas da maioria dos problemas enfrentados pelos gestores organizacionais:

As pessoas não conhecem suas potencialidades internas e têm dificuldade em reconhecer seus limites de compencia e de resistência;

As empresas não instrumentalizam adequadamente seus executivos, na medida em que buscam influenciá-los a optar por ferramentas que ora são inadequadas para resolver os problemas que se apresentam no dia-a-dia e, em outras ocasiões, não se ajustam às suas habilidades e atitudes.

A consequência natural do processo é que os gestores se veem, cada vez, mais pressionados, mas sem contar com as necessárias ferramentas para gerenciar as situações com as quais são obrigados a lidar.

Seu intelecto tem sido desenvolvido em termos de novos conhecimentos, mas sem a preocupação em instrumentá-lo com ferramentas que flexibilizem as decisões, gerem uma maior capacidade de ajustamento às situações, tornem sua comunicação mais clara e inteligente, desenvolvam sua capacidade de abstração, transformando-o em um ser pensante e atuante.

Muito se fala em valorização dos recursos humanos, importância do relacionamento interpessoal, capacidade de influenciar e liderar pessoas. Mas, infelizmente, queses como sensibilidade, emoção, profundidade de afeto, cuidado e respeito com o outro são constantemente negligenciadas. Generosidade, entrega, suavidade são conceitos que sequer chegam a ser discutidos verdadeiramente (a não ser nas rodas de Chopp durante as Happy Hours, nas quais todos se ressentem da dureza com que tratam e são tratados).

Metas e resultados são constantemente discutidos. Estratégias são traçadas, normalmente baseadas nos conceitos de competição e conflito. Mas o que as empresas estão fazendo para aumentar os níveis de coragem, audácia, impulso e inquietão de seus gestores?

O sonho de todo o dirigente é ter um time de intrapreneurs trabalhando consigo. E o que costumam fazer para consegui-lo? Promovem a competição predatória, estimulam a formação de igrejinhas e guetos, premiam excessivamente e punem exemplarmente. Só se esquecem de criar as verdadeiras condições para que os objetivos sejam constrdos, conquistados e mantidos, pois a energia vital dispendida no esforço de sobreviver à própria estrutura de poder da organização não permite que os melhores executivos se dediquem à única tarefa realmente importante num negócio: crescer baseado em princípios éticos que permitam obter lucros sem perder a responsabilidade social.

 

DETALHAMENTO DO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE LIDERANÇAS DE ALTA PERFORMANCE

 

Introdução: Visão de Futura da Liderança (Palestra de Abertura - 02 Horas)

Os gurus de hoje e... sempre: Ram Charan, Warren Bennis, Marshall Goldsmith, Ken Blanchard, Arie de Geus, John Kotter Um pouco de cada um;

Para aonde caminha a Liderança;

Novos paradigmas para o Líder

O perfil do executivo brasileiro e sua influência nas ações da liderança;

Valores, atitudes, comportamentos;

Que papéis/compencias cabem ao líder em contextos competitivos? Gestor, educador, transformador?

Aptidões necessárias ao líder com subordinados de diferentes gerações;

Atração, engajamento e retenção de talentos;

Poder ou autoridade: Qual a melhor forma de conduzir equipes?

Devemos tratar todos os nossos liderados da mesma forma?

Como liderar uma equipe de vencedores?

Aprendendo com os subordinados;

Os compromissos com o passado;

A ética da liderança e a liderança ética.

 

Módulo I - Revisitando os Fundamentos da Liderança (16 horas - 2 dias)

 

1.   Líder Comunicador Abrindo Portas para o Relacionamento Interpessoal

 

Ênfase Conceitual

Perfis de comunicação: locução, ilocução e perlocução;

Comunicação ameaçadora e comunicação não ameaçadora;

Assertividade e RAPPORT, instrumentos da comunicação interpessoal produtiva.

 

Práticas Instrucionais

Filme: trecho de 12 Homens e uma Sentença ou Almas em Chamas (clássicos);

Trabalho em equipes: a empresa ABCDE;

Debates e conclusões.

 

2.   Motivação – Fazendo as Pessoas Agirem

 

Ênfase Conceitual

Os modelos motivacionais e seus impactos na ação produtiva;

Teorias motivacionais: fatores intrínsecos e extrínsecos, expectativas, necessidades, motivadoras de conteúdo.

 

Práticas Instrucionais

Fatores motivadores x desmotivadores;

Filme: trecho de planejamento e execução (filme com Nicolas Cage), ou Efeito Pigmalião;

Debates e conclusões.

 

3.   Liderança de Situações e Pessoas

 

Ênfase Conceitual

Abordagens de liderança: formal, colegiada e personalista;

Modelos de conduta: do comandante, da mudança organizacional, colaborativa, cultural e crescente;

Atitudes de equipes diante de objetivos: comprometimento, participação, obediência, rebeldia e apatia;

Autonomia, delegação, indelegação.

 

Práticas Instrucionais

Autodiagnostico: perfil de bases decisórias;

Análise dos modelos de Jung: razão, emoção, intuição, instinto;

Filme: trecho do filme “A Festa de Babette”;

Debates e conclusões.

 

4.   Otimizando os Relacionamentos

 

Ênfase Conceitual

Liderança e assertividade;

Liderança e RAPPORT;

Liderança vendedora de ideias: Persuasão e credibilidade;

Liderança e equipes: Sociabilidade e solidariedade.

 

Práticas Instrucionais

Dinâmica: análise de comportamentos X e comportamentos Y;

Debates e conclusões;

Filme: Dave Presidente por um dia;

Interpretação dos perfis obtidos.

 

5.   A Liderança a Partir de Objetivos

 

Ênfase Conceitual

Constância, Coerência, Confiabilidade, Integridade;

O Líder Contribuinte, o Líder Colaborador, o Líder Comunicador e o Líder Desafiador;

Líderes: Saber Fazer, Saber como Fazer e Gerenciar Pessoas e Talentos;

Líderes: Interesse pelas Pessoas e Interesse pelo seu Desempenho.

 

Práticas Instrucionais

Dinâmica: estudo de caso Nutraceutiquímica;

Debates e conclusões;

Fundamentação conceitual.

 

6.   Autodesenvolvimento – Pessoal e Profissional

 

Ênfase Conceitual

A Liderança e a Gestão do Conhecimento e do Capital Intelectual de suas Equipes;

A Ação de Coaching pela Liderança;

A Criação e o Desenvolvimento de Equipes Auto gerenciáveis;

Liderar e Gerenciar: Diagnosticar, Intervir e Integrar;

A Liderança e as Fontes de Poder.

 

Práticas Instrucionais

Filme: A Quadrilha Motley; ou o Treinador;

Debates e conclusões;

Dinâmica: percepção crítica pela liderança com foco no objetivo.

 

Módulo II - Gestão da Produtividade Pessoal e Organizacional (16 horas – 2 dias)

 

1.   As Fontes de Insatisfação e Inércia

 

Ênfase Conceitual

Liderança Diretiva e Liderança Apoiadora;

Gestão da Complexidade e Gestão da Mudança.

 

Práticas Instrucionais

Dinâmica: Atitudes e posturas diante de mudanças;

Debates e conclusões;

As competências dos líderes da mudança;

Os desafios do processo de mudança e transição;

O papel diretor e orientador do líder, com foco no resultado.

 

2.   Os Níveis de Produtividade Atual x Ideal

 

Ênfase Conceitual

Gestão da Competitividade;

Gestão da Complexidade;

Gestão da Adaptabilidade;

Gestão da Incerteza;

Gestão de Equipes;

Gestão do Auto Aprendizado.

 

Práticas Instrucionais

Matriz da decisão (versão livre do Ishikawa Sequencial);

Processamento dos resultados;

Debates e conclusões.

 

3.   A Gestão para Resultados

 

Ênfase Conceitual

Gestão de Forma Competitiva;

“Flagrar” as Pessoas Fazendo as Coisas Certas;

Enfatizar o Positivo;

Gerenciar a Jornada de Mudanças.

 

Práticas Instrucionais

Filme: Enfatizando o Positivo;

Trabalho em equipes: atender, satisfazer, surpreender;

Conclusões e contextualização à realidade do Cliente.

 

4.   O Potencial de Desempenho a Desenvolver

 

Ênfase Conceitual

Poder de análise;

Iniciativa;

Imaginação;

Senso de realidade;

Tenacidade;

Senso crítico.

 

Práticas Instrucionais

Filme: A Visão do Futuro ou A arte da possibilidade;

Debates e conclusões.

 

5.   Liderança com Foco em Resultados

 

Ênfase Conceitual

Geração de Unidades de Negócio Interdependentes;

Compartilhamento de Responsabilidades;

Processos Formais e Negociados de Busca de Resultados;

Sistemática Criteriosa de Gestão do Desempenho das Equipes.

 

Práticas Instrucionais

Dinâmica: Condomínio dos Estrangeiros ou similar;

Análise dos Resultados;

Conclusões à luz do Modelo de Peter Block.

 

6.   Tomada de Decisão – Individual e Grupal

 

Ênfase Conceitual

Natureza da decisão: Consenso, Senso Comum, Unanimidade Doce e Complacente, Imposição Homogeneizadora, Maioria;

Razão, Emoção, Intuição e Instinto no Processo Decisório;

As Oito Competências no Processo Decisório;

Decisões Negociadas;

“Ganha-Ganha” ou “Perde-Perde”;

O Ganha-Ganha já era?

Modelos Alternativos de Tomada de Decisão em Equipe.

 

Práticas Instrucionais

Filme: Groupthink ou similar;

Debates e Conclusões;

Simulação: “Sobrevivência”;

Modelos Alternativos de Tomada de Decisão em Equipe.

 

Módulo III - Comunicação e Reuniões (16 horas – 2 DIAS)  

 

1.   Comunicação e Expressão

 

Ênfase Conceitual

Técnicas de Exposição;

Gerenciamento da Atenção: Percepção Crítica;

Gerenciamento do significado: Escuta Eficaz e Escuta ativa;

Gerenciamento da Confiança: Geração de Autoconfiança e Motivação;

A Comunicação como Instrumento da “Venda” de Produtos, Serviços e Ideias;

Utilização da Tecnologia nas Comunicações;

Apresentações Dinâmicas, Criativas e Vendedoras;

Marketing Pessoal e Institucional;

A Linguagem dos Gestos;

A Neurolinguística e a Neuroliderança;

Integrando a Intenção, o Comportamento e o Impacto nos Processos de Comunicação;

Articulação e Dicção;

Enfrentando Pessoas e Situações Difíceis;

Vícios e Cacoetes mais Comuns;

Você é Aquilo que Comunica;

Os Perigos da Improvisação;

O Silêncio só Comunica a Incerteza;

Fundamentação – Janela Johari;

Abordagens nas Comunicações e Relacionamentos: Verdade/Amor, Verdade/Desamor,

Mentira/Amor Mentira/Desamor.

 

Práticas Instrucionais

Autodiagnostico sobre Competência Comunicativa;

Exercícios de Desinibição, Postura e Articulação – Enfrentando os medos;

Dinâmica: Auto e Hetero Percepção;

Planejamento, Desenvolvimento e Avaliação das Apresentações: Um Roteiro Simples;

Ensaio em Duplas;

Apresentações;

Feedbacks.

 

2.   Comunicação e Feedback

 

Exercício de Fixação

Debates e Conclusões

Diretrizes para Dar e Receber Feedback Produtivo

 

3.   Evitando Barreiras nas Comunicações

 

Filme: O Reino Perdido

Dinâmica: Principais Barreiras e seus Antídotos

Debates e Conclusões.

 

4.   Excelência nas Comunicações e Sucesso Profissional

 

A arte de ouvir e o processo de empatia

Comunicação e Assertividade

Requisitos para uma Comunicação Eficaz

 

5.   Reuniões como Instrumento da Comunicação Grupal

 

Ênfase Conceitual

Aspectos Comportamentais e Cognitivos que Afetam uma Reunião;

Abordagens para Planejar, Conduzir, Participar e Avaliar Reuniões;

Feedback Construtivo, Destrutivo e Desconstrutivo.

 

Práticas Instrucionais

Autodiagnostico: Minha Experiência Pessoal com Reuniões;

Dinâmica: Como Gerar Confiança em seu Público;

Autodiagnostico da Flexibilidade como Instrumento de Obtenção de Resultados nas Comunicações;

Pontos Chave para Reuniões Produtivas

Filme: Reuniões, Reuniões

Trabalho em Equipes;

Debates e Conclusões.

Administração de Conflitos em Reuniões

Lidando com Diferentes Tipos de Participantes;

 

 

Módulo IV - Liderança e as Habilidades Gerenciais (16 horas - 2 dias)

 

1.   O Planejamento e o Conteúdo dos Postos de Direção

 

Ênfase Conceitual

Erros comuns cometidos pelos gestores;

A personalidade do indivíduo e sua relação com a performance da equipe;

As questões do poder e da autoridade;

O gestor, seus superiores, seus subordinados e a instituição.

 

2.   Paradigmas da Qualidade da Nova Liderança

 

Ênfase Conceitual

Enfoque ocupacional: melhoria de resultados;

Enfoque no ser humano: autoconfiança, automotivação, autodesenvolvimento;

A pressão da competitividade e as exigências do ambiente;

Disponibilidade para riscos e habilidade para mudanças.

 

Práticas Instrucionais

Autodiagnostico: o grid gerencial numa visão contemporânea;

Exercícios de autodesenvolvimento;

Dinâmica sobre como liderar sobre pressão;

Apresentações;

Feedbacks.

 

3.   Exigências da Nova Liderança

 

Ênfase Conceitual

Internalização do entusiasmo e do comprometimento;

Visão humanista da liderança;

Novo líder: aprendiz permanente;

Líder empreendedor: assertivo, ético, rigoroso.

 

Práticas Instrucionais

Leitura de texto: o que é ser ético;

Dinâmica: Como ser ético sem perder a razão;

Filme: cenas do seriado House ou similar;

Trabalho em Equipes;

Debates e Conclusões.

 

Módulo V - Gestão Transformadora (16 horas – 2 dias)

 

1.   Administração por Objetivos

 

Ênfase Conceitual

O trabalho do dirigente;

O desvirtuamento da direção pelo chefe;

Diferenças entre os vários escalões da administração;

A administração por espasmo;

Como fixar objetivos e obter o comprometimento das equipes;

Controle externo ou autocontrole?

Como corrigir as discrepâncias de desempenho.

 

Práticas Instrucionais

Filme: Cenas do seriado The Office ou similar;

Debates e Conclusões;

Exercício de formulação de objetivos;

Modelos Alternativos de Correção de Discrepâncias de Desempenho.

 

2.   O Espírito de Realização

 

Ênfase Conceitual

O perigo da mediocridade confiante

As decisões relativas à “consciência”

Decisões sobre pessoal – o controle pelo chefe;

Integridade moral, a pedra de toque.

 

Práticas Instrucionais

Dinâmica: Leitura do texto de Henry Mintzberg “O trabalho do gestor: folclore e fatos”;

Discussões em grupo;

Conclusões à luz do Modelo de Mintzberg.

 

3.   Sistema de Valores

 

Ênfase Conceitual

Gerenciamento da atenção;

Gerenciamento do significado;

Gerenciamento da confiança;

Gerenciamento de si próprio.

 

Práticas Instrucionais

Filme: Cenas do Filme 7B da Saga de Harry Potter;

Debates e conclusões.

 

Módulo VI - Comunicação e Negociação Estratégica  (16 horas – 2 dias)

 

1.   Instrumentos de Ação Gerencial: Comunicação/Negociação/Influência

 

Ênfase Conceitual

Comunicação e negociação como fatores de integração;

Estilos de comunicação e negociação;

Comunicações ameaçadoras e não ameaçadoras;

Processos de comunicação não verbal – integração;

Negociação virtual, por telefone;

Indicadores de avaliação de uma negociação (processo e resultados);

Os seis princípios da influencia; Persuadindo através do tempo, informação e poder do outro lado;

Persuasão e Rapport;

Velhos argumentos, novas abordagens;

 

Práticas Instrucionais

Matriz confiança X relacionamento;

Processamento dos resultados/avaliação;

Debates e conclusões.

 

2.   Instrumentos de Ação Gerencial: Valores Comportamentais

 

Ênfase Conceitual

Estilos eficazes de liderança contemporânea;

Bases decisórias pessoais pragmáticas e humanistas;

Abordagem de fontes de poder;

Energização e empowerment.

 

Práticas Instrucionais

Autoavaliação sobre estilo de personalidade (modelo MVC/negociação);

Debates e conclusões;

Dinâmica: estilos que funcionam para todas as gerações

 

3.   Instrumentos de Ação Gerencial: Responsabilidades Organizacionais

 

Ênfase Conceitual

Estrutura de equipes produtivas;

Identificação das responsabilidades organizacionais;

Critérios negociais de avaliação de equipes;

Senso de cliente e metas – educadores de gestão.

 

Práticas Instrucionais

Dinâmica: estudo de caso Sears X K-Mart;

Debates e conclusões;

Fundamentação conceitual.

 

Encerramento

Estudo de Caso: Por que não utilizamos o conhecemos (Visão integrada do conteúdo, considerando o exercício da Liderança no contexto do CLIENTE), ou caso específico da realidade do CLIENTE;

Filme: 1492 - A Conquista do Paraíso (uma cena) ou similar;

Plano de Desenvolvimento Individual – Cumplicidade;

Feedback grupal.

 

Metodologia

O programa será de natureza eminentemente ptica. A metodologia comportamental-cognitiva norteará os debates e intervenções com o objetivo de valorizar experiências anteriores dos participantes ao mesmo tempo em que são discutidos novos comportamentos e práticas capazes de facilitar a superação dos desafios do presente.

O grupo será incentivado a aplicar, imediatamente, o conteúdo das sessões na solução dos seus problemas específicos (pessoais e organizacionais).

A metodologia a ser utilizada privilegiará a vivência dramatizada dos conceitos, através de uma abordagem dedutiva, isto é, a vivência de uma situação, e somente após isso o respaldo de uma abordagem teórica.

Casos, exercícios e dramatizações, constituirão a tônica de todo o PROGRAMA.

Uma metodologia extremamente interativa, desenvolvida para participantes com as características e preferencias de aprendizado das gerações Y e X.

Aplicação prévia de um instrumento para identificar estilos e preferencias de aprendizado de cada participante e do grupo como um todo.

Como atividade entre os módulos serão utilizados Cursos E-learning, desenvolvido pelo Instituto MVC e seus parceiros; acompanhamento, pelo MVC do Plano de desenvolvimento Individual do superior / subordinado / superior; remessa de um texto de reforço; remessa de um vídeo pertinente ao tema. Essas alternativas deverão ser escolhidas pelo consultor / cliente.

Aplicação de um Assessment individual e confidencial no inicio de cada dulo e 40 dias após. Os resultados serão tabulados pelo MVC e entregues a cada participante. O CLIENTE não receberá os resultados individuais, apenas a tabulação dos resultados do grupo (a ser aprovado pelo CLIENTE).

O produto final do evento deverá ser a elaboração, pelo participante, de um Plano de Desenvolvimento Individual, a ser colocado em ptica imediatamente após o evento. Para que tal estratégia possa surtir os efeitos desejados ao CLIENTE deverá designar um de seus diretores para “cobrar” a execução do Plano de Desenvolvimento Individual.

Obrigatórios